Cardoso, Riolândia e Mira Estrela SP

Cardoso, Riolândia e Mira Estrela SP

27/11/2017

Foi um belo passeio! Um passeio de descobertas! A região é pouco explorada pelos "observadores de aves", portanto, os registros também são poucos. Isso torna as nossas "saídas" a campo um desafio. Tentaremos descobrir novas espécies que ainda não foram registradas em fotografia ou vocalização e lançar no Wikiaves para contribuir com o número de espécies para as cidades visitadas.

Claro, não estávamos unicamente atrás de registros de aves, tinha o social e outras atrações que a região apresenta. Alguns registros aconteceram em lugares muito especiais para a Karina, como o Estância Sant'Ana de propriedade do tio Ziquinha, onde morou por muitos anos o saudoso Nato. Aqui, registramos algumas espécies comuns mas também fizemos um "lifer" fotográfico para a cidade, o Urubuzinho ( Chelidoptera tenebrosa), e um "lifer" pessoal, o Pica-pau-de-topete-vermelho (Campephilus melanoleucos), também registramos a Ariramba-de-cauda-ruiva (Galbula ruficauda), Maria-cavaleira-de-rabo-enferrujado (Myiarchus tyrannulus), Balança-rabo-de-máscara (Polioptila dumicola), o Araçari-castanho (Pteroglossus castanotis), o Papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva), dentre outros. Cardoso também é conhecida por abrigar inúmeros "ranchos" as margens da Praia de Cardoso, uma represa com águas do Rio Grande. Lá fotografei pescadores e um bando de Cabeças-secas (Mycteria americana), além de um simpático cachorro nadador.

No outro dia, seguimos pela SP-322 em direção a Riolândia, onde passamos pela primeira ponte com uma represa com águas do Rio Grande (com níveis bastante baixos) e logo em seguida a represa do Rio Turvo que vai se juntar as águas do Rio Grande, já na divisa São Paulo-Minas Gerais.

Aqui registramos o Trica-ferro (Saltator similis) logo na chegada. Também um "lifer" pessoal e para a cidade, o Papa-lagarta-acanelado (Coccyzus melacoryphus), outro "lifer" para a cidade, o Uí-pi (Synallaxis albescens), também fotografamos a Tesourinha (Tyrannus savana), o garrinchão-de-barriga-vermelha (Cantorchilus leucotis), dentre outros. Na volta, passamos pela Chácara da Tia Ana, já no município de Cardoso, onde além de um suco de acerola geladíssimo, também fotografamos mais algumas espécies comuns mas que renderam belas fotos.

Seguindo nossa expedição, partimos no dia seguinte para a ponte sobre o Ribeirão Bonito (São João do Marinheiro), onde registramos o Martim-pescador-grande (Megaceryle torquata), Curutié (Certhiaxis cinnamomeus), Tico-tico-rei (Coryphospingus cucullatus), Pica-pau-anão-barrado (Picumnus cirratus) e o "lifer" para a cidade, o Ferreirinho-de-cara-parda (Poecilotriccus latirostris). Logo após a ponte tem uma trilha que vai até o Hotel Foz do Marinheiro e na volta, fomos pelas margens da represa, onde avistamos poucas aves, mas uma chamou a atenção, alguns Caminheiro-zumbidor (Anthus lutescens) que seguiu a gente por um bom tempo. Dali partimos para conhecer um lugar que me surpreendeu pela beleza, a Prainha de Mira Estrela, também formada pelas águas do Rio Grande. Lá, pode-se alugar chalés por preços bastante acessíveis para passar o dia ou o final de semana, com uma natureza exuberante, que rendeu belas fotografias! Na volta, resolvemos parar em um lugar próximo a Trilha dos Macacos, em Mira Estrela e lá encontramos o Macuru-de-barriga-castanha (Notharchus swainsoni) que aprestava uma característica diferente na testa.

Ah!! Já no último dia de nossa expedição, um domingo de tempo fechado, chuviscos a todo momento, aconteceu aquilo que era esperado desde o primeiro dia da expedição. O encontro com a Caburé (Glaucidium brasilianum) que aconteceu na Estrada do Jatobá, na entrada de um sítio. Logo que paramos já ouvimos a vocalização da ave e ali tivemos um "contato imediato de 5º grau". Achei que a Karina iria ter um "troço" de tão emocionada que ela ficou! Após essa "catarse", seguimos adiante e conseguimos mais dois "lifers" para a cidade de Cardoso, o Petrim (Synallaxis frontalis) e o Anambé-branco-de-rabo-preto (Tityra cayana). Também conhecemos alguns lugares que poderão render boas fotos e talvez novas espécies para nossa coleção. Mas isso já é história para outra expedição!!! Vamos as fotos...